Danny Pudny, o suíço mais carioca da cidade, gosta de encarar desafios sem limites geográficos. Pode ser visto trabalhando no Parque Olímpico da Barra como também no Estádio Lujniki, em Moscou, durante a Copa das Confederações 2017.

 

Percebeu desde pequeno que o showbiz seria o seu caminho, uma montanha-russa de velocidade vertiginosa onde poucos apaixonados e - porque não dizer loucos - como ele que se encantam com o risco e o imprevisível.

 

A arquitetura refinou seu olhar estético e enfatizou sua vocação de construtor. Hoje, mesmo depois de acumular 108 mil horas (sim, ele calculou!) dedicadas ao ofício, Danny ainda não está satisfeito. Quer mais. Quer fazer ainda melhor.

 

Com um portfolio diversificado e internacional, atua como um planejador que soluciona problemas de forma coletiva e colaborativa, adaptadas sob medida para o universo de operações e tecnologia na indústria de entretenimento.

 

Uma mente inquieta que foi instigada a pensar a revitalização do Porto do Rio e Morro da Urca, o Pan Americano 2007 e muitas Copas do Mundo. Responsável também pelo planejamento global e execução do Red Bull Air Race World Series em 2007 e 2008.

 

Last not least, com fôlego de Usain Bolt, assinou a experiência mais badalada dos Jogos Olímpicos Rio2016, a Casa da Jamaica, sold out em os todos os dias do evento.

 

No bairro carioca do Jardim Botânico, desde 2014, ele imprime sua identidade na ID21, oficina de criação e produção, que reúne talentos e amigos.